Durante a quarentena iniciada em março muitas pessoas descobriram talentos novos como forma de passar o tempo. Alguns iniciaram a fazer crochê, outros começaram a trabalhar com artesanato, mas a grande maioria optou pela culinária.

As páginas do Facebook e perfis no Instagram quase se tornaram cardápios de restaurantes, que ou dava água na boca ou subconscientemente incentivava aos os outros para que também tentassem.

Antigamente – mas não muito tempo atrás -, apenas por senso comum, as pessoas costumavam dizer que cozinhar era terapêutico, mas nos últimos anos a ciência começou a corroborar com esta afirmação. Tanto é verdade que surgiu a prática terapia culinária, que bem como o nome diz, é quando os níveis de estresse reduzem ao estar na cozinha.

Um estudo de 2016 publicado no The Journal of Positive Psychology afirma que engajar-se em uma atividade que estimula a criatividade ativa os sentimentos positivos. Dentre as práticas, foi listada a terapia culinária.

Muitas pessoas aprenderam a cozinhar algo quase do zero, mas a maioria apenas aperfeiçoou os dotes já existentes. Raul Vitor Ferreira, de 26 anos, contou que na cozinha fazia apenas coisas básicas como arroz, feijão e alguma carne, mas durante o isolamento aprendeu pratos como pão, yakissoba e massa de pizza.

“No geral decidi aprender outras coisas para gastar menos dinheiro com delivery e pra distrair um pouco a mente durante esses meses sem fim de distanciamento social”, afirmou ele.

Pizza da quarentena de Raul Vitor. Arquivo pessoal



Já Marcelo Lopes, 23, aprendeu a cozinhar quando tinha 10 anos e nunca parou. Entretanto, durante a quarentena resolveu explorar mais esse lado e o primeiro prato que fez foi escondidinho de berinjela com carne de soja.

“Cozinhar é algo que você pode inovar sempre. Não é aquela coisa maçante que todo dia é igual. Me faz ter vontade de cozinhar para outras pessoas. Esses dias mesmo fiz um almoço na casa da minha namorada com o pai dela e todos adoraram”, contou satisfeito.

Eduarda Zungalo Quintal, estudante de 22 anos, também aprimorou suas receitas. Ela está em transição para o veganismo e afirmou que o tempo de sobra nessa quarentena fez com que ela testasse coisas novas.

Carne de soja com legumes de Eduarda. Arquivo pessoal


“Gosto muito de fazer doces, mas o que me deu mais satisfação foi aprender a fazer bolo. Eu sempre errava nos bolos normais, mas os bolos veganos eu estou acertando em fazer”.

A culinária parece ser o que mais deu certo durante esses meses de isolamento social. Muitas pessoas até mesmo começaram a investir em suas próprias lojinhas virtuais como uma fonte de renda extra, contando com entregas para facilitar a vida das outras pessoas. Como aquela frase popular “é melhor ter um pássaro na mão do que dois voando”, o 9noandar parafraseia a citação dizendo “é melhor ter um delivery pra pagar no cartão do que dois faltando”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s